Perspectiva é de alta na indústria de frango em 2013

A indústria de carne de frangoprevê a recuperação na produção e um aumento das exportações em 2013, ambos daordem de 3%, depois de um ano de retração, devido a uma alta nos custos. Aperspectiva da indústria é elevar os embarques, com a abertura de novosmercados na Ásia e na África e fortalecer o desempenho do setor ao exportarprodutos de maior valor agregado.

Francisco Turra, presidente daUnião Brasileira de Avicultura (Ubabef) disse que “neste ano, queremos melhorara qualidade da exportação de carne de frango, com embarques de mais valoragregado”.

 Os alimentos processados, que são mais caros,em 2012 responderam por 5% do volume total exportado no período, enquanto oscortes de frango tiveram fatia de 55%, o frango inteiro 36% e o salgado 5%.

 “Estamos apostando um pouco mais no mercadoexterno, do que no mercado interno”, acrescentou Turra, ao vislumbrar apossibilidade de entrada em novos mercados.

 Nigéria e Argélia estão entre os novosmercados, com a entrada de carne fresca, uma vez que estes países já importam oproduto processado. A expectativa é concretizar a abertura do mercado indiano etambém entrar em outros países na Ásia, como Indonésia, Malásia e Camboja.

O Brasil é o maior exportadormundial de carne de frango, com 39,7% do mercado internacional, seguido porEstados Unidos (32,5%) e o bloco europeu (10,9%), segundo e terceiro noranking, respectivamente.

Para o presidente da Ubabef ospreços de insumos devem seguir firmes, ao menos no primeiro semestre deste ano,a despeito da expectativa de uma grande safra de grãos no Brasil.

“A safra brasileira ajudará areduzir um pouco o preço (de grãos), mas só quando soubermos o resultado dasafra americana, e se os estoques mundiais estão se recuperando, é que ocenário (de custo) poderá melhorar”, disse o executivo. “É difícil ver um recuonos preços de grãos aos níveis históricos”.

O levantamento da Ubabef  indica que o Brasil em 2012 perdeu pequenafatia nas exportações globais de carne de frango, recuando para 39,7%%, ante os41,4% do ano anterior. Este foi o primeiro recuo na produção nacional de carnede frango desde 2000.

O presidente da Ubabef ponderouque o setor vê desafios para este ano. “Vamos brigar este ano para conseguir amonetização dos créditos acumulados”, disse Turra referindo-se aos créditos deICMS e PIS/Cofins pagos sobre os produtos destinado às exportações, cujoestoque é estimado em 1 bilhão de reais. A ideia, segundo ele é propor aogoverno que os recursos sejam utilizados em investimentos na produção.

A Ubabef também está finalizandoum estudo sobre a percepção da marca do frango brasileiro no mundo e no própriopaís. “O estudo está pronto e será validado em reunião com os associados”,disse Ricardo Santin, diretor de mercados da Ubabef.

Com a avaliação em mãos, aindústria planeja ter um selo “Brazilian chicken” para indicar qualidade doproduto brasileiro, tanto para o mercado externo como o interno.

Santin, que viajou por paísesasiáticos recentemente, ressaltou que o produto brasileiro já é considerado dealta qualidade e o país é “visto com grande importância na questão da segurançaalimentar”.

Fonte: Ave World

Adaptação: Portal Suínos e Aves

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.